NLHE > High Stakes Lead com vantagem de range07/06/2016 às 17:35

Anônimo

Descrição:

Todo mundo c-beta com frequência estando OOP sendo o agressor, mas não dá lead OOP, em geral, quando não é o agressor. Isso faz todo sentido quando o agressor tem vantagem de range, tem QQ+ AK no range, que é quase sempre.

Então tenho duas questões a levantar:

1) Se, num mundo hipotético, o Hero e o Vilão tem exatamente o mesmo range inicial, 50% de equidade para cada um, vale à pena tomar uma atitude mais agressiva sendo o primeiro a falar, ou seja, betar uma porcentagem consideravel das vezes conseguindo valor com as mãos fortes e negando equidade com as fracas ou vale mais à pena dar check grande parte das vezes por estar fora de posição, indo de check/raise com monstros e alguns blefes e em geral jogando mais de bluffcatcher mesmo?

2) E saindo do mundo hipotético, no caso do flop favorecer o ranger do caller, deixando-o com mais combos de monstros e com um range de maior equidade, faria sentido o caller ignorar o fato dele não ser o agressor e "agir como se fosse", dando lead com grande parte das mãos de valor e blefe ao invés de dar check como de costume? Um exemplo desse caso seria o UTG abre menos de 3x, o BB paga e o flop vem 356.


Comentários

BenToblerone

20/07/2016 às 18:01

Olá! Questões interessantes.

Em primeiro lugar, gostaria de fazer um comentário sobre a frequência de cbet oop em single raised pot (3bet pots são outra história) encontrada nos jogos atuais. Mesmo em midstakes o field cbeta bem mais do que o que a teoria e os solvers indicam ser o ideal. A frequência deve depender bastante da estrutura do board e das posições em jogo, mas só pra exemplificar, num board A75r é comum ver o UTG cbetando uma porção gigante do range contra um call do BTN, enquanto um solver indicaria % de cbet (2/3 pot). O que ocorre é que o range OOP tem muitas mãos médias que não conseguem extrair três ou mesmo duas streets, além de não precisarem de protection (o useja não se beneficiam de tirar o folding range do BTN da mão. Logo, essas mãos jogam melhor dando check. Se betarmos as mãos fortes numa frequência alta, ficamos vulneráveis a 3 barrel e a overbets, o que nos incentiva a dar check com mãos fortes. Tendo mãos fortes e médias no range de check, podemos jogar as fracas dando check também, seja dando give up mesmo (obv), ou para blefar turn ou river contra checks do BTN, ou de maneira mais criativa (ex: c/c com KQs bdfd no flop, bet river depois que vilão check turn).

Isso tudo vale também em boards dinâmicos, a diferença é que as mãos médias do OOP precisam de protection. O problema é que elas são vulneráveis a raises e dificilmente melhoram (pelo contrário, pioram frequentemente pelo board ser dinâmico). Então num board 865ss é bem mais interessante jogar de c/c e c/r do que de cbet, c/c e c/r. Fora ser mais fácil balancear seus ranges quando você tem uma linha a menos para se preocupar.

Quanto às questões:

1) Nessa situação hipotética o OOP dá check quase sempre. Saber a ação do vilão antes da sua ação e ter a escolha de pegar free cards dá muita vantagem para quem joga IP (não digo no sentido psicológico, mas no estratégico, mesmo se os dois souberem o que o outro tá fazendo e tal).

2) Aqui o flop não vai deixar o range OOP mais forte que o IP em equidade (ou seja, OOP continua tendo que dar muito check) mas favorece mesmo certas áreas do range OOP que vão se beneficiar da criação de um range de lead. A dificuldade é jogar tantos ranges (lead/3bet, lead/c, lead/f, c/c, c/r, c/f...) com um SPR alto. Lembrando que você também pode jogar de check mesmo e depois "buscar" parte do EV perdido por não ter um range de lead flop dando overbets nas streets futuras. Pessoalmente eu prefiro usar leads em potes multiway (em boards como esse mesmo).

alexrod99

04/03/2017 às 09:12

Respondendo a questão 2) Eu acho que sim! Deveriamos ter um range de lead e ignorar o agressor, a propósito temos bons motivos para isso como negar equidade. Suponha um board 765r big vs utg 45bbs deep onde o hero está no big blind e tem T5s sem algum backdoor. Todos sabemos que um vilão regular vai checkar em uma grande frequência o seu range se não 100% então basta aplicar o simpels motivo de negar equidade afinal sua mão tem uma equidade muito baixa, mas você possui vantagem de range então um lead pequeno seria o ideal nesse tipo de spot. Claro que vamos dar check em alguns turns e para não deixar esse range de lead fraco é bom colocar uns combos de valores que estão no topo do nosso range e como o nosso amigo BenTobleron citou o único problema vai ser balancear tudo.

AlexR

17/03/2017 às 20:01

 

Eu acho que sim e seguinte a visão de AlexRod99 eu acho que as situações que isso vão acontecer não são tão incomuns, visto que os vilões em LP tendem a abrir cada vez mais o range e o hero a defender mais ainda em BB por exemplo. Acho que deve-se considerar a formação de ranges para jogar de lead flop para jogar de forma explo e explorar as tendências e fraquezas de nosso vilão. 

Fale conosco